Cachorro Quente Gourmet


VOCÊ ESTÁ PRONTO PARA FAZER A DIFERENçA E CONQUISTAR UM MERCADO ainda POUCO EXPLORADO no pais?


APRENDA FAZER CACHORRO QUENTE IRRESISTÍVEL

 

Módulo 1 - TIPOS DE SALSICHA

O cliente está acostumado a ter 1 tipo de salsicha, já imaginou poder oferecer mais de uma opção e ter um diferencial dos demais concorrentes.

Módulo 2 - TIPOS DE MOLHOS

Aprenda mais de 20 tipos de molhos e forneça uma infinidade de alternativas para seus clientes.

Módulo 3 - RECEITAS DE PÃO DE CACHORRO QUENTE

Já imaginou produzir o seu próprio pão, sem ter que depender de fornecedores ou padarias.

Módulo 4 - ACOMPANHAMENTOS PARA SERVIR

Ter um acompanhamento de qualidade ajuda na valorização do seu produto e agrega mais valor. Por isso separamos os mais pedidos e mais deliciosos acompanhamentos para seu cliente.

Módulo 5 - CALCULAR O PREÇO DE FABRICAÇÃO E VENDA

Ensinamos qual o custo de fabricação do seu cachorro quente e qual deve ser seu preço de venda, com isso evitamos uma perda de dinheiro e seu lucro e garantido.

Módulo 6 - MAIS DE 180 TIPOS DE CACHORRO QUENTE

13 Receitas de Cachorro Quente Doce

46 Receitas de Cachorro Quente Gourmet

123 Receitas de Cachorro Quente Tradicional

 

História do Cachorro quente:

 

Há 164 anos surgia o cachorro-quente. Existem três versões sobre a origem deste sanduíche. A primeira e mais aceita é a de um açougueiro de Frankfurt, na Alemanha, que batizou, em 1852, as salsichas que fabricava com o nome de seu cachorro Dachshund.

A segunda versão diz que, em 1880, o imigrante alemão Charles Feltman levou essa salsicha para os Estados Unidos e lá criou um sanduíche quente com pão, salsicha e molhos.

            Já a terceira possibilidade para a invenção do cachorro-quente é de que, em 1904, um vendedor de salsichas quentes da cidade de Saint Louis, no estado do Missouri (EUA), criou uma maneira dos seus fregueses não queimarem a mão.

            Ele oferecia luvas de algodão para consumir o produto. Só que os fregueses se esqueciam de devolvê-las e ele ficava no prejuízo. Seu cunhado, que era padeiro, sugeriu que o salsicheiro passasse a usar o pão em vez de luva para manusear a salsicha quente.

No Brasil, o empresário Francisco Serrador, idealizador da Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, lançou, por volta de 1926, o cachorro-quente para ser vendido em seus cinemas.

A novidade fez tanto sucesso que acabou inspirando os compositores Lamartine Babo e Ary Barroso a criarem, dois anos depois, a marchinha de carnaval “Cachorro-Quente”.

O sanduíche conquistou definitivamente o gosto do brasileiro após a Segunda Guerra Mundial, época em que o país passou a sofrer grande influência da cultura norte-americana.

Nos Estados Unidos, o cachorro-quente típico é preparado com salsicha, molho agridoce e picles - a base de pepino, mostarda e ketchup. Mas tanto lá como no Brasil, sua composição varia muito.

Em São Paulo por exemplo, além do pão e da salsicha usa-se o purê de batata e o vinagrete. No Rio de Janeiro é acrescentado ovos de codorna. Já em Minas Gerais e Goiás é servido com milho verde e batata palha.

Na Paraíba, com carne moída e verdura picada por cima da salsicha. E, em Pernambuco, se utiliza apenas o pão e carne moída, sem a salsicha, mas mantendo o nome do prato. Segundo o Guinness Book o maior cachorro-quente do mundo é comercializado nos Estados Unidos e pesa 57 quilos, sendo 23 quilos só de salsicha e custa US$ 1 mil.



 

Postar um comentário

0 Comentários